+55 (51) 3026 8507 [email protected]

A ruptura do LCA (ligamento cruzado anterior) costuma ser um evento muito difícil de ser aceito por um atleta profissional.

Quando inicio um processo de reabilitação pós-cirúrgica com um atleta de alto nível, a primeira pergunta que geralmente recebo é sempre a mesma: “quando vou jogar no mesmo nível de antes”?

A verdade é que é impossível saber com precisão.

Geralmente, para um atleta profissional, o intervalo preditivo é de 8 a 12 meses.

A literatura é muito clara sobre isso: menos tempo, mais risco.

Até o momento, parece que a estratégia mais eficaz para aprovar o retorno ao jogo (RTP) é contar com um grupo de teste, pelo menos para reduzir o risco de nova lesão.

Este famoso estudo de Grindem et al (https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/27162233/) estabelece os seguintes critérios para RTP:

Déficit de força do quadríceps do joelho operado inferior a 10% em comparação com o joelho saudável

4 ensaios de salto único, novamente com menos de 10% de diferença entre as partes.

Os resultados do estudo são bastante claros:

38% dos atletas que não passaram nos critérios sofreram uma nova lesão do LCA

Apenas 5% dos atletas que passaram nos critérios se machucaram novamente

O timing do RTP também desempenha um papel fundamental: de todas as recaídas, apenas 19% ocorreram em jogadores que voltaram ao campo 9 ou mais meses após a operação.

A conclusão dos autores é que, a cada mês de espera para conferir o RTP, o risco de uma nova lesão é reduzido em 51%.

Até um estudo na prestigiosa revista JOSPT foca no momento de retorno à corrida.

Beisher et al acreditam, de fato, que apressar um RTP de menos de 9 meses pode conferir um risco de 7 vezes de nova lesão – não exatamente insignificante como um número.

Além do momento, parece claro que um excelente controle neuromuscular da aterrissagem com uma perna de um salto é absolutamente necessário. Como terapeutas, temos inúmeras estratégias para melhorar essa habilidade motora.

Sem dúvida, BAIOBIT é a cereja do bolo. Com um sistema objetivo, progressivo e divertido, podemos monitorar a habilidade de salto de nossos atletas, avaliando e cuidando de detalhes certamente mais refinados, até acompanhá-los para o desempenho motor desejado.

Gostaria de enfatizar que essas considerações RTP não devem ser interpretadas como uma panacéia para certamente evitar o risco de nova lesão, mas podemos valorizá-las para ter uma visão mais cautelosa e consciente, para reduzir os riscos tanto quanto possível, para nós e os nossos atletas.