+55 (51) 3377 6896 contato@kinetec.com.br

O Professor e Biomecanicista, Guilherme Brodt, fala sobre um estudo que foi feito em Nova York. Esse estudo avaliou 597 idosos para identificar o risco de queda. 

Os autores acompanharam esses idosos por um ano. Nesse tempo, foi possível identificar que 38% dos idosos acompanhados sofreram quedas. 

Como eles estavam avaliando as variáveis espaço temporais, como a velocidade e o comprimento, por exemplo, eles encontraram que a velocidade da marcha tinha uma relação muito importante com a chance de queda.

Ainda, o Biomecanicista complementa que, aqueles pacientes que caminhavam de forma mais lenta, tinham uma chance maior de cair, pois os idosos que caminhavam a cada 10 cm/s mais devagar, aumentavam as chances de queda em aproximadamente 7%. 

Além disso, aqueles que caminham em velocidades muito baixas, inferiores a 70 cm/s, tinham 50% mais chances de cair. 

Devido a isso, recomenda-se que, antes de tudo, seja incluída uma avaliação em uma intervenção para idosos em fisioterapia. É importante realizar a avaliação da velocidade da marcha através do teste de 6 minutos. 

Esse teste pode ser realizado com a planilha fornecida pela Kinetec, para calcular a velocidade da marcha a partir do teste, além do sensor inercial G-walk, que também oferece um protocolo integrado para realização do teste.

Portanto, o primeiro passo é saber a velocidade que o idoso caminha, pois há muitas academias com grupos de caminhada só para idosos, mas será que elas sabem a velocidade que seus idosos caminham? 

A partir desta velocidade, é possível incentivar que esses idosos aumentem a sua velocidade e aprendam a caminhar de forma segura. Sendo a meta, no mínimo 1 m/s. 

Essa meta foi determinada para que ele não tenha uma chance aumentada de risco de queda. Porém, pode-se também especificar isso melhor, analisando a idade do paciente, altura, peso e sexo, por exemplo.

Podemos acrescentar essas informações na planilha de avaliação da marcha de 6 minutos com o intuito de saber qual é a velocidade ideal daquele paciente. Dessa forma, será possível fazer uma recomendação específica para aquela pessoa que está sendo treinada.