+55 (51) 3026 8507 contato@kinetec.com.br

Os idosos que nunca tiveram uma rotina de exercícios precisam ser convencidos de uma forma que motive-os a ter um estilo de vida mais ativo.

A fisioterapeuta e professora Flávia Doná, do Centro de Fisioterapia Neuromovimento, lembra de um caso especial, onde a consulta foi tão longa que ela acabou não conseguindo avaliar o paciente idoso com o G-WALK. O apreço pelo equipamento é tão grande que o paciente cobrou a Flavia, falando: “Olha, eu vi uma entrevista sua falando do sensor e eu quero fazer esse exame!”. Ou seja, hoje em dia os pacientes estão procurando fazer uma avaliação mais desenvolvida e tecnólogica, com bastante inovação.

Nós, fisioterapeutas, quando estamos ocupando o lugar de paciente, também desejamos ser avaliados com inovação. Além disso, prezamos por um profissional que esteja engajado nas novidades do mercado.

As pessoas estão cada vez mais acostumadas a ter um comparativo, para ter a noção quantificavel e ver se melhorou ou não melhorou; para assim ter uma visão melhor do desenvolvimento do procedimento.

Quando nós falamos em reabilitação em neurológica (parkinson, avc, etc), nós estamos falando de compensação e recuperação como restituição. Em relação a isso, temos estrutura e função, atividade e participação.

Podemos falar tranquilamente que a tecnologia nos ajudou a identificar essa restauração. Ex: Pacientes com uma lesão no lado direito do sistema vestibular; por muito tempo foi considerado, nessses casos, a melhora clinica por meio da compensação, ou seja, outros sistemas podem auxiliar. Hoje, com a tecnologia, nós temos equipamentos que quantificam a função vestibular e é possível dizer se houve uma restauração completa dessa função.

Para poder afirmar que a amarcha do paciente tem menos compensação e que houve uma comparação, a tecnologia nos ajuda, nos trazendo informações quantitativas que a nós conseguimos comparar com dados da normalidade. Ou seja,as vezes sua avaliação clinica indica que o paciente melhorou, mas será que foi observada uma compensação? Será que o comprimento do passo está igual? Será que a variabilidade diminuiu durante as fases da marcha? A tecnologia auxilia em todos esses fatores, e muito mais.