Alguns fatores essenciais para uma boa avaliação dependem, não apenas de um equipamento de excelência, mas também de cuidados da parte dos avaliadores. Alguns pequenos detalhes de orientações durante a coleta de dados pode fazer cm que os dados de um mesmo paciente não possam ser comparados!

O Timed Up and Go Test é comumente utilizado, em pesquisas e na prática clínica. Mas você sabia que os valores específicos para Brasileiros diferem dos padrões normalmente adotados como preditores? E que a simples associação de um instrumento durante a coleta permite a coleta de dados mais específicos sobe a marcha do paciente?

O teste de 6 minutos é amplamente utilizado, por ser fácil, rápido e barato e aplicar-se a diferentes populações. Porém, você sabia que os estudos realizados até o momento são insuficientes para embasar sua interpretação frente a valores normativos da população brasileira?

Conhecer o que vai ser avaliado é essencial para escolha correta da técnica e das configurações de cada equipamento, fazendo com que o profissional tenha controle e segurança sobre o que está sendo coletado e o quanto isso realmente representa o que lhe interessa.

Você sabia que o sway, apesar de ser um dos parâmetros do COP menos usados e compreendidos, é considerado pela literatura como o que melhor representa condições clínicas/patológicas dos pacientes?

A excursão total, ou distância percorrida, bem como a velocidade média do COP são parâmetros que, quando bem interpretados, podem fornecer um ótimo panorama sobre o equilíbrio, abrangendo diversas informações importantes a respeito da quantidade de oscilação involuntária do paciente.

O esporão calcâneo pode ter causas comuns a outras patologias, ou mesmo gerar algumas delas, entender esse processo em cada paciente é o grande diferencial de um tratamento eficaz.

Sabe-se que a área da elipse traz informações sobre o equilíbrio, representando 95% dos pontos do COP. Mas você sabe o que são esses pontos? E o quanto suas posições podem ser significantes na prática clínica?

Ao contrário do que parece comum acreditar, a metatarsalgia nem sempre está associada a uma patologia específica. Seu desenvolvimento e recidiva possuem diferentes causas, o que exige conhecimento aprofundado de cada caso para definir o tratamento adequado.

Laudos de baropodometria trazem parâmentros que nem sempre são intuitivos ao profissional que o interpreta. Por exemplo, você sabe o que é o foot progression? Sabia que ele se relaciona com diversos fatores, desde rotações ósseas até sobrecarga articular,

A fascite plantar é uma inflamação comum em diferentes populações: de sedentários a esportistas. A recidiva muitas vezes se deve à superficialidade com que é avaliada e/ou tratada! Você sabia que, além da flexibilidade, muitos outros fatores são associados a essa patologia?

Muitos fatores podem influenciar na distribuição do COP, o que exige alta competência do profissional que irá realizar/interpretar o laudo. Por exemplo, você sabia que alterações na causadas por bruxismo podem interferir nesses parâmetros?

A estabilometria fornece muitas informações que, muitas vezes não são analisadas com atenção, por falta e tempo ou de entendimento do que cada parâmetro representa individualmente. Por exemplo, você sabe quais informações a oscilação Ântero-Posterior do COP pode fornecer? E a oscilação Médio-Lateral?

Procedimento para realizar uma boa e padronizada prática de avaliação baropodoemtrica estatica e estabilometrica .

A divisão dos movimentos em fases, muitas vezes gera mais questionamentos do que esclarecimentos aos profissionais que leem um artigo ou um exame. Essa divisão é essencial em grande parte das avaliações quantitativas, e quando não é feita de forma correta pode, inclusive, comprometer a confiabilidade de um laudo!

Receba nossa Newsletter - Conteúdos sobre biomecânica no Brasil